Polícia Federal fecha estabelecimentos e apreende cigarros eletrônicos em Imperatriz

Notícias Policiais

Na manhã desta quinta-feira (6), a Polícia Federal conduziu uma operação em Imperatriz, localizada no sudoeste do Maranhão. A ação tinha como objetivo cumprir 13 mandados de busca e apreensão e fechar dois estabelecimentos comerciais envolvidos no contrabando de cigarros eletrônicos.

A operação visava combater o comércio ilegal desses produtos, que são contrabandeados e podem representar riscos à saúde dos consumidores, além de causar prejuízos ao mercado legal de cigarros eletrônicos.

A Polícia Federal atuou de forma coordenada para identificar e apreender evidências relacionadas à prática do contrabando. A ação resultou no fechamento dos estabelecimentos investigados e na apreensão dos cigarros eletrônicos ilegais.

Essa operação reforça o compromisso das autoridades em combater o contrabando e proteger a saúde e segurança da população. O contrabando de cigarros eletrônicos representa uma atividade criminosa que precisa ser coibida, visando preservar a integridade do mercado legal e garantir a qualidade e procedência dos produtos comercializados.

Fonte: Globo

Além disso, a operação tem como objetivo a remoção de oito páginas da internet que promoviam e comercializavam o produto e seus acessórios. Essa ação está em conformidade com a determinação da 1ª Vara Federal Cível e Criminal da Subseção Judiciária de Imperatriz.

A retirada dessas páginas online é uma medida importante para combater a comercialização ilegal de cigarros eletrônicos e garantir que as informações e vendas relacionadas a esses produtos sejam conduzidas de acordo com a legislação vigente.

Ao remover essas páginas, as autoridades buscam interromper a divulgação e a venda ilegal desses produtos na internet, protegendo assim a saúde dos consumidores e combatendo práticas comerciais ilícitas.

Essa ação conjunta entre a Polícia Federal e a Justiça Federal demonstra o empenho em combater o contrabando de cigarros eletrônicos e todas as formas de comércio ilegal associadas a esses produtos, garantindo a segurança e a legalidade no mercado.

Fonte: PMI


A “Operação Contra Vapor”, deflagrada pela Polícia Federal, teve origem a partir da apreensão de cigarros eletrônicos realizada em março deste ano no Aeroporto de Imperatriz. Na ocasião, foram identificados diversos locais de distribuição desses produtos.

Até o momento, cinco pessoas foram detidas em flagrante por vender, expor à venda ou manter em depósito os cigarros eletrônicos, cuja comercialização é proibida no Brasil.

Caso sejam condenados, os investigados podem enfrentar penas que variam até oito anos de prisão. Essa ação da Polícia Federal reforça o compromisso em combater o comércio ilegal de cigarros eletrônicos, protegendo a saúde dos consumidores e garantindo o cumprimento da legislação brasileira.