Descumprindo orientação: Lista dos deputados do PL que votaram a favor da reforma tributária

Notícias Políticas

Vinte deputados do Partido Liberal (PL) desafiaram a orientação partidária e votaram a favor da aprovação do texto da PEC 45/2019, conhecida como reforma tributária, no primeiro turno realizado na noite de quinta-feira, 6. No segundo turno, o número de parlamentares do PL que apoiaram a proposta diminuiu para 18. O PL foi o único partido que recomendou aos seus membros votarem contra a proposta, enquanto a Minoria Parlamentar e a Oposição também tiveram a mesma posição.

Todos os outros partidos e federações orientaram seus deputados a votarem a favor do texto, com exceção do Novo, que permitiu que seus parlamentares votassem livremente. Durante as discussões, a deputada Júlia Zanatta (PL) provocou o PT, afirmando que o partido se tornou “tchutchuca de banqueiro”. Ela argumentou que a proposta resultaria em um aumento de impostos para os brasileiros, além de prejudicar a autonomia dos estados.

Fonte: Terra

Durante o discurso em apoio ao texto da reforma tributária antes da votação em segundo turno, o deputado Luciano Alves (PSD) mencionou os votos daqueles que foram contrários à orientação da bancada. Alves parabenizou os dissidentes e recebeu aplausos dos deputados que formaram a maioria a favor da aprovação da PEC. Ele ressaltou que a questão em debate não se trata apenas do PL, mas sim do Brasil, enfatizando que é um assunto que diz respeito a todos. “Isso aqui não é do PL, é do Brasil, é nosso”, declarou.

Fonte: CNN Brasil

A questão de se os deputados de direita deveriam ou não apoiar a reforma tributária defendida pelo PT gerou conflitos, inclusive entre o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos). Um vídeo que se tornou viral nas redes sociais mostra os dois discutindo durante uma reunião do PL, após Tarcísio expressar seu apoio ao texto.

A proposta da reforma tributária visa simplificar o sistema de impostos através da implementação do Imposto sobre Valor Agregado (IVA) dual, com uma parcela gerenciada pela União e outra parte pelos Estados e Municípios do país.

Na votação em primeiro turno, a proposta recebeu 382 votos a favor, 118 votos contra e três abstenções. No segundo turno, foram registrados 375 votos a favor, 113 votos contra e três abstenções.